“Os Mercenários”: Poderoso integrante do club Bilderberg pede a criação do exército global

Tradução: Caminho Alternativo

 

(29-09-2014) O jornalista estadunidense da emissora Fox News, Bill O’Reilly, afirmou num programa da ABC News que Henry Kissinger, famoso globalista e integrante do club Bilderberg, “durante anos têm apoiado a ideia do estabelecimento de uma força global antiterrorista financiada pela coalizão de nações sob a supervisão do Congresso”.

Segundo publicou o portal ‘InfoWars‘, não surpreende conhecer que Kissinger respalde a ideia de um exército mercenário com o pretexto de combater o terrorismo, já que “ele supervisou diretamente os golpes de Estado contra Governos eleitos na América do Sul e em outros lugares, assim como o massacre no Vietnã e Camboja, sob a justificativa da luta contra o aumento do comunismo”.

Kissinger se considera um “globalista ferrenho”, que na idade de 91 anos segue escrevendo livros pedindo abertamente a criação de um governo mundial, já que, segundo sugere, os Estados nacionais “são a causa da agitação moderna no mundo”.

O portal também faz referência às palavras dos conhecidos jornalistas Bob Woodward e Carl Bernstein, que indicam que Kissinger vê os soldados como “animais estúpidos que devem ser utilizados como peões para a política exterior“.

Fonte: RT

Artigos relacionados

Henry Kissinger admitiu que os direitos humanos e a democracia são um pretexto utilizado pelos EUA para conseguir seus interesses

Brzezinski: “A ‘resistência populista’ ameaça a transição à Nova Ordem Mundial”

Líderes europeus querem um único exército, uma única polícia e um único presidente para a Europa

Troca de dívida por território: A nova estratégia da elite global

Gray State – A Nova Ordem Mundial Illuminati está à nossa porta

O Vaticano propõe criar uma Autoridade Política Mundial para afrontar a crise

Estulin: “O Club Bilderberg quer reduzir a população mundial”

Liberada a lista dos genocidas que participarão do Bilderberg 2014

CategoriasMundo Tags:, , ,

A verdade sobre a dívida pública Argentina

Agora há pouco a presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, discursou na ONU à respeito da dívida pública de seu país, os chamados “fundos abutres”, cujos creedores são os fundos NML Capital(Paul Singer), Aurelius Capital(Mark Brodsky), entre outros.

Como a mídia brasileira está alinhada aos interesses dos banqueiros e da estrutura de poder sionista internacional, resolvi criar este artigo para esclarecer aos leitores de língua portuguesa a verdade sobre a dívida argentina.

O que está abaixo não será divulgado pela mídia brasileira.

É necessário esclarecer que a dívida pública argentina surgiu na época da ditadura militar, no Plano Condor estadunidense, com um governo ilegítimo e repressor patrocinado por Washington. Bancos como Goldman Sachs e Bank of America sabiam muito bem que estavam “emprestando” dinheiro a um governo militar ilegal e corrupto. Todos os títulas da dívida foram criados em cima de uma dívida ilegal.

O governo dos EUA é controlado por banqueiros e toda a estrutura governamental deste país é usada por eles para patrocinar golpes de estado em nações soberanas e colocar no lugar regimes ou políticos corruptos que assinem qualquer diretriz despachada desde Washington.

Atualmente este modus operandi dos banqueiros já é conhecido. O que ocorreu durante o regime militar na argentina, foi o aceite do endividamento proposital do país e que foi perpetuado por sucessivos governos fantoches “democráticos”. A dívida se tornou uma bola de neve impagável.

Conforme o site Clarín, que possui como um de seus acionistas a banca judaica Goldman Sachs, esta foi a estratégia de Paul Singer para a Argentina.

 

Os “fundos abutres” consiste em comprar no mercado dívida de Estados e empresas em situação de quebra, ao 20 ou 30% de seu valor nominal, e logo pleitear ou apertar para cobrar o 100%. Naturalmente, apostam em pacientes com altas chances de reabilitação: essa foi a estratégia da NML com a Argentina.

 

Óbviamente, estes usureiros que compraram a 20% do valor para cobrar 100% já sabiam que na Argentina seria preparada uma lei para permitir esta cobrança.

E justamente em 2004 o então presidente da Argentina Néstor Kirchner assinou um decreto de número 319/2004 com a seguinte determinação:

 

DÍVIDA PÚBLICA

Decreto 319/2004

Reestruturação de títulos da dívida pública em cancelamento de pagamentos. Bancos Organizadores Internacionais e Bancos Organizadores para a República Argentina. Estabelece que o Ministério de Economia e Produção designará às entidades financeiras que atuarão como colocadores na implementação da oferta de reestruturação dos títulos mencionados, de comum acordo com os Bancos Organizadores. Aprova-se a “Carta de Contratação”, a “Emenda prévia à entrada em vigor da Carta de Contratação de data 9 de fevereiro de 2004″ e a “Carta de Compromisso”.

Art. 8°Autoriza-se a renúncia de jurisdição à favor dos tribunais estaduais e federais localizados na cidade de NOVA YORK, ESTADOS UNIDOS DE AMERICA, e a renúncia a impôr a defesa de imunidade soberana, incluída na Carta de Contratação (“Engagement Letter”) e sua emenda aprovadas pelo Artigo 7° do presente decreto, estando preservada a negação de embargo em forma expressa com relação a:

a) Os bens com direito aos privilégios e imunidades estabelecidos na Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas de 1961.

b) Os bens com dereito a imunidades estabelecidas na Foreign Sovereign Immunities Act (“Lei de Imunidades Soberanas Extrangeiras”) de 1976.

c) Os ativos que constituem reservas de livre disponibilidade, em virtude dos Artigos 5° e 6° da Lei N° 23.928 e suas alterações.

d) Os bens do domínio público situados no território da REPÚBLICA ARGENTINA que estão compreendidos nas disposições dos Artigos 2.337 e 2.340 do Código Civíl da REPÚBLICA ARGENTINA.

e) Os bens situados dentro ou fora do território da REPÚBLICA ARGENTINA que estão destinados ao fornecimento de um serviço público essencial.

f) Os fundos, valores e demais meios de financiamento afetados na execução orçament[aria do SETOR PÚBLICO, já seja que se trate de dinheiro em efetivo, depósitos em contas bancárias, títulos, valores emitidos, obrigações de terceiros em carteira e em geral qualquer outro meio de pagamento que seja utilizado para atender as obrigações previstas no Orçamento Geral da Nação.

 

Fonte: infoleg.gov.ar

O plano de colocar  tribunais estadunidenses como responsáveis pela dívida argentina passou pela mão do Ministro de Economia de Nestor Kirchner, Roberto Lavagna, homem de confiança do Council of Foreign Relations(CFR).

Outro que participou desta engenharia de endividamento criminoso foi ninguém menos que Domingo Felipe Cavallo, um dos integrantes do judaico e sionista Grupo dos 30. Sua atuação foi no período da gestão Menem e De la Rúa.

Os Cavalos de Tróia do Grupo dos 30

O que a Lei 319/2004 determina é que a Argentina renuncie aos seus tribunais e à sua própria soberania para tratar qualquer litígio em relação à dívida pública à favor dos tribunais de Nova York. Ou seja, nessa “renegociação de dívida” o destino da Argentina passa a depender de um tribunal yanque com um juiz yanque.

Nestor Kirchner já estava envolvido com o desvio de milhões de dólares da província de Santa Cruz e este ato de traição ao povo argentino assinando este decreto teria sido mais um motivo para forjar a sua morte e colocar a sua mulher na presidência. O clã dos Kirchner continuou no poder para manter um traidor que assinasse decretos à favor da banca internacional e contra o povo argentino.

Para Adrian Salbuchi o ex-presidente Nestor Kirchner está vivo

Anos depois, Cristina Kirchner é colocada como presidente e com o seu Ministro de Economia Amado Boudou faz exatamente a mesma “renegociação de dívida”. Assina um decreto favorecendo tribunais em Nova York, ou seja, deixando o galinheiro nas mãos dos lobos. Este é o decreto 1953/2009 assinado por ela:

 

A PRESIDENTA DA NAÇÃO ARGENTINA

DECRETA:

Art. 3º — Faculta-se ao MINISTÉRIO DE ECONOMIA e FINANÇAS PÚBLICAS, através do Orgão Responsável da Coordenação dos Sistemas de Administração Financeira do Setor Público Nacional, a incluir cláusulas que estabeleçam a renúncia de jurisdição à favor dos tribunais estaduais e federais localizados na Cidade de NOVA YORK, ESTADOS UNIDOS DE AMERICA e a renúncia a impôr a defesa de imunidade soberana, exclusivamente em relação a jurisdição que se renuncia, nos contratos que resulte necessário subscrever com terceiras pessoas que colaborem ou participem no processo de emissão ou na colocação e comercialização de títulos públicos nacionais nos mercados financeiros internacionais e sua posterior administração, assim como nas condições de emissão dos referidos instrumentos de dívida pública, por um montante de até VALOR NOMINAL DÓLARES ESTADUNIDENSES QUINZE BILHÕES (VN U$S 15.000.000.000).

 

Fonte: infoleg.gov.ar

Portanto, o que faz Cristina Kirchner na ONU é mentir e se fazer de vítima nos meios corporativos de notícias. Ela e seu “falecido” marido são os responsáveis diretos pela catástrofe com a dívida pública do país.

Este golpe financeiro de endividar nações soberanas só é possível graças a “cavalos de Tróia”. Somente através de políticos corruptos os banqueiros conseguem a assinatura destes tratados de rendição incondicional perante a banca sionista internacional.

Como se a tragédia fosse pouca, Cristina ao invés de mandar investigar a dívida pública argentina e salvar o povo argentino desta extorsão, foi pedir “ajuda” ao mega-especulador judeu George Soros. Inacreditável!

 

Presidente Cristina Kirchner se reúne com o mega-especulador George Soros, um dos principais credores da dívida argentina, no Hotel Mandarin, em Nova York.

 

Cristina Kirchner acha que Soros irá ajudar a Argentina e contrariar os interesses dos seus amigos “abutres”?

O fundo NML Capital é gerenciado pelo judeu bilionário Paul Singer através da Elliott Management Corporation e na página da Forbes Singer aparece na posição 993 dos mais ricos do mundo. Repare na imagem abaixo que a foto de George Soros aparece no seu perfil confirmando a relação dos dois.

 

 

É muito fácil ficar bilionário quando se é integrante de uma organização planetária usureira, que controla governos através de lobbies como o judaico AIPAC nos EUA e se corrompe políticos para que assinem leis que favoreçam seus criminosos interesses financeiros.

Outro bilionário envolvido no golpe é o judeu Mark Brodsky, que e é o chairman do fundo Aurelius Capital.

O poder da máfia financeira internacional é tão grande que eles escolhem quais serão os candidatos à presidência de um país, quem será “eleito” como presidente e quem ocupará o cargo de Ministro de Economia.

Lobby sionista já determinou quem será o Presidente da Argentina

Bom, se a Argentina não têm dinheiro para pagar a esta máfia, como os “abutres” pensam resolver a questão?

É bem provável que o próximo presidente argentino assine uma lei que cederá controle do território para os banqueiros ou pior ainda, entregue o território como pagamento da dívida. O artigo do analista argentino Adrián Salbuchi explica detalhadamente como a banca internacional está orquestrando a troca de dívida por território.

Troca de dívida por território: A nova estratégia da elite global

Um aviso ao leitor, o que está acontecendo com a Argentina acontece com outros países, inclusive com o Brasil. Sugiro a pesquisa na legislação brasileira para encontrar alguma lei parecida ou idêntica com as cláusulas assinadas pelos Kirchner.

Se existir tal lei, o Brasil poderá ser num futuro próximo a próxima vítima na lista destes usureiros.

As eleições estão chegando no Brasil. Muita atenção com certos “candidatos” à presidência que propõe Banco Central independente e que são patrocinados por banqueiros e mega-especuladores como George Soros.

CategoriasMundo Tags:

Nasa prepara o terreno para anunciar a descoberta de vida extraterrestre

Tradução: Caminho Alternativo

 

Há poucos dias, a NASA organizou um simpósio onde a possibilidade de encontrar vida extraterrestre num futuro próximo foi colocada sobre a mesa diante um conjunto de cientistas, historiadores, filósofos e teólogos de todas partes do mundo. A concorrida reunião foi realizada na Biblioteca do Congresso, em Washington D.C. e seu objetivo principal foi explorar as formas de preparar o público para a inevitável descoberta de vida extraterrestre, seja simples organismos como os micróbios ou seres inteligentes avançados.

Nesta imagem se contempla mais de 10.000 galáxias.

 

 

“Estamos considerando todos os cenários possíveis ao falar vida. Se encontrarmos micróbios, é uma coisa. Se encontrarmos inteligência, é outra; mais se eles são capazes de se comunicar”, disse Steven J. Dick, astrônomo, ex-historiador da NASA e organizador do simpósio Preparando-nos para a Descoberta: Uma aproximação racional ao impacto da descoberta de vida microbiana, complexa ou inteligente além da Terra.

A ideia é que não tenhamos que esperar até fazer a descoberta para preparar ao público diante as possíveis implicações“, explica Dick. “Penso que a razão pela qual a NASA agora respalda isto é devido a recente atividade na descoberta constante de exoplanetas e os avanços da astrobiologia em geral”.

Entre os palestrantes do simpósio da semana passada, esteve presente um que não faz muito tempo já chamou a atenção por suas declarações.

“Creio que existe a vida alienígena, mas não tenho evidência disto. Estaria muito emocionado se fosse anunciada [a existência de vida ET]. Profundizaria meu entendimento sobre a religião de uma forma que não posso imaginar”, disse o imão Guy Consolmagno, sacerdote jesuita e cientista planetário do observatório do Vaticano.

Consolmagno ganhou alguns titulares quando há anos declarou que “qualquer entidade — sem importar quantos tentáculos tenha — têm uma alma”, e sugeriu que ele “estaria contente de batizar aos extraterrestres se assim fosse solicitado”. Atitude que o próprio Papa Francisco apoiou este ano.

“Têm que haver liberdade ao fazer ciência. Ser um bom cientista implica admitir que não sabemos tudo — sempre existe algo novo que aprende”, declarou Consolmagno, que também pensa que o público não entraria em pânico se a descoberta de vida extraterrestre fosse revelada.

Outras das figuras no simpósio foi Seth Shostak, astrônomo do Instituto SETI da Califórnia, que deu detalhes fascinantes em números que evidenciam claramente que não estamos sozinhos no Universo.

“O número de mundos habitáveis de nossa galáxia se mede en dezenas de bilhões, e isso não inclui as luas. O número de galáxias que podemos ver, além da nossa, é aproximadamente de 100 bilhões”.

“É um grande número; e sabemos que a maioria dessas estrelas têm planetas — 70 ou 80 por cento. Seria demasiado excepcional que sejamos a única coisa interessante do Cosmos. Não somos um milage, somos somente outro pato da fila. (…) Provávelmente uma de cada cinco estrelas tenha um análogo da Terra. São um monte de mundos habitáveis; de fato, o número de “Terras” em nossa própria galáxia poderia estar na ordem dos 50 bilhões”, argumentou Shostak.

O tema OVNI não pôde faltar entre as perguntas. Segundo o organizador do simpósio se bem “uma grande porcentagem dos casos podem ser explicados por fenômenos naturais, existe uma porcentagem entre o 3 e 4 por cento que não têm explicação natural e deveria ser estudado mais a fundo”.

A conferência em Washington D.C. também tratou sobre a próxima missão destinada a ser a sucessora do famoso Hubble: o Telescópio Espacial James Webb. Tão grande como um campo de tênis, este observatório do espaço profundo se lançará em 2018 e orbitará além de nossa lua. O James Webb centrará sua missão em obter novos dados e coletar informação atmosférica dos exoplanetas, algo que permitirá encontrar possíveis indicadores de vida em outros mundos.

Fonte: mysteryplanet.com.ar

Artigos relacionados

Nasa libera documento sugerindo contato extraterrestre no passado

Congresso dos EUA consulta a Nasa e MIT sobre extraterrestres

Papa Francisco anunciará “salvador” extraterrestre de acordo com livro

Descoberta na Índia pinturas rupestres de 10.000 anos mostrando “ovnis” e “extraterrestres”

CategoriasCiência Tags:,